Epígrafe

08:06 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada"

Clarice Lispector

Marcadores: ,

Revisão Teórica

07:55 / Postado por Mazahta / comentários (13)

Revisão Teórica é a parte do projeto que apresenta de forma breve a revisão das principais fontes/obras/referências que tratam do tema da pesquisa, pois parte-se do pressuposto de que nenhuma investigação começa da estaca zero.

Também é chamada de ‘referencial teórico’, ‘revisão de literatura’, ‘embasamento
teórico’, ‘pressupostos teóricos’, ‘fundamentação teórica’, ‘estado da arte’, dentre
outras denominações, dependendo do tipo de trabalho.

A finalidade da revisão teórica, dentre outras, é destacar e resumir as ideias já
formuladas por outras pessoas, compará-las com alguns autores, descrever a evolução de conhecimentos sobre o tema, mostrar as contradições, tecer críticas e elogios, reafirmar comportamentos ou interpretações, salientar como a pesquisa a ser feita irá se diferenciar, assemelhar ou contribuir para o avanço do conhecimento. Em suma, é um texto, logicamente ordenado, que se parece com uma paráfrase ou resenha crítica do material consultado.

Conforme Gil (2006, p. 162), a revisão teórica deve esclarecer os pressupostos teóricos que dão fundamentação à pesquisa e as contribuições proporcionadas por investigações anteriores: "essa revisão não pode ser constituída apenas por referências ou sínteses dos estudos feitos, mas por discussão crítica do ‘estado atual da questão’".

A revisão teórica ilumina o problema com a discussão de novos enfoques, dados, informações, esclarecendo melhor a matéria em exame, e, segundo Boaventura (2004, p. 63), “são os suportes teóricos que sustentam o problema”.

Sugere-se, como Mezzaroba e Monteiro (2006), que o pesquisador, ao definir o tema, logo procure coletar dados e materiais bibliográficos sobre o assunto, uma vez que esse levantamento inicial das fontes de consulta, já na fase de elaboração do projeto, possibilitará mais clareza da viabilidade ou não da pesquisa e o primeiro
contato com o pensamento de autores e escolas que já trataram o mesmo objeto.

Recomenda-se, para monografias em geral e dissertações assemelhadas, que a estrutura da revisão teórica encontre-se em um único capítulo, subdividido em diversos subcapítulos. Para cada assunto tratado, devem-se utilizar no mínimo duas fontes teóricas. Contudo, o pesquisador deverá se informar com o orientador sobre regras específicas do seu curso/tipo de trabalho.

Marcadores: , ,

Epígrafe

09:21 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"É preciso coragem para sentir medo"
Montaigne

Marcadores: ,

Justificativa

09:15 / Postado por Mazahta / comentários (0)

A justificativa consiste na exposição resumida das razões de ordem teórica e dos motivos de ordem prática que tornam importante e válida a realização da pesquisa, ou seja, falar da importância geral e ir ao particular dando respostas à questão: por quê?

Uma das características da justificativa é o seu teor de persuasão para que a pesquisa seja concretizada. Em alguns projetos, inclusive, ela é chamada de "qualificação do problema de pesquisa", com a finalidade de expressar as razões pelas quais esse problema está apto, está qualificado para ser pesquisado.

A justificativa também pode indicar:

- a curiosidade do pesquisador;
- uma experiência anterior própria ou de outra pessoa/instituição;
- possibilidades de sugerir mudanças no âmbito da realidade do tema proposto;
- contribuições teóricas e/ou práticas que a pesquisa poderá trazer na solução
de problema da comunidade local ou regional em que está sendo realizada;
- descoberta de soluções para casos gerais e/ou particulares;
- apresentar as dificuldades práticas de um problema da realidade, descrevendo-o sinteticamente e, em seguida, apontar para a necessidade de solucioná-lo, demonstrando a relevância do tema escolhido para o curso, para o próprio estudante,
para a comunidade local, regional etc.

Destaca-se que não se justificam as hipóteses nem se procura concluir o que será pesquisado, mas, sim, se colocam as razões da importância, da oportunidade, da viabilidade de execução da proposta (viabilidades técnica, financeira, política) e da validade do tema/problema a ser estudado.

Marcadores: , ,

Dica do dia: 4Shared

14:47 / Postado por Mazahta / comentários (0)

Dica de pesquisa:
http://www.4shared.com/

um site que engloba muita informação.
Um verdadeiro depósito.

Cabe ao pesquisador saber filtrar o que realmente é relevante.
Mas nada que seja impossível de fazer, pra quem tem tempo e um mínimo de discernimento.
o 4shared é uma fonte inacreditável de informação pra quem sabe utilizá-lo.

Nota: 8,0

Marcadores: ,

Epígrafe

09:04 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Para onde quer que o homem contribua com o seu trabalho deixa também algo do seu coração"
Henryk Sienkiewicz

Marcadores: ,

Objetivos

08:52 / Postado por Mazahta / comentários (0)

Os objetivos esclarecem o que se deseja alcançar com a pesquisa: para quê? para quem? Em regra, são redigidos numa única frase, que começa com um verbo no infinitivo indicando uma ação (identificar, caracterizar, analisar, comparar, descrever, verificar, classificar, discriminar, formular, medir).

São dividos em Objetivo geral e Objetivos específicos.

Objetivo geral:
O objetivo geral está relacionado com o conteúdo intrínseco do tema, com a indicação do resultado pretendido pela pesquisa; ele está ligado a uma visão global e abrangente do tema e define o que o pesquisador pretende alcançar com a execução da pesquisa.

Objetivos específicos:
Os objetivos específicos possuem caráter mais concreto, mais instrumental e específico mesmo, voltados ao atendimento de questões mais particulares da pesquisa, com as etapas, com as fases do desenvolvimento do trabalho, que levarão à concretização do objetivo geral, mantendo relação com a sequência do planejamento e metodologias adotadas.

Marcadores: , ,

Epígrafe

08:08 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Se você não está cometendo erros, você não está assumindo riscos e isso significa que você não está indo a lugar algum"
John W. Holt Jr

Marcadores: ,

Hipóteses

08:03 / Postado por Mazahta / comentários (0)

As hipóteses são respostas prováveis, possíveis, supostas e provisórias do problema, e nem sempre são explícitas por escrito, ou seja, nem sempre aparecem nos projetos de pesquisa. Quando aparecem elas servem de orientação para a pesquisa, e podem ser afirmativas ou negativas, pois se procura, no decorrer do desenvolvimento do trabalho, elementos para confirmá-las ou refutá-las. Elas aparecem principalmente em pesquisas conclusivas e quantitativas, pelo fato de estas trabalharem com dados estatísticos.

Normalmente, as hipóteses são implícitas naqueles estudos em que o objetivo é descrever determinado fenômeno ou as características de um grupo. Nesses casos, elas envolvem uma única variável e o modo mais comum é indicá-las nos objetivos da pesquisa.

Contudo, nas pesquisas que possuem como objetivo verificar relações de associação ou dependência entre variáveis, as hipóteses claras e precisas são fundamentais.

Gil (2006) destaca alguns aspectos a serem considerados na formulação de hipóteses:
- redigi-las na forma de sentenças declarativas, concisas e claras;
- serem específicas e com referências empíricas;
- que estabeleçam uma relação explicativa, de resposta para o problema;
- que estabeleçam uma relação quantitativa ou de associação/correlação entre duas ou mais variáveis, ou seja, devem estar relacionadas com as técnicas disponíveis e adequadas para a coleta dos dados exigidos para seu teste.

Evitar confundir a hipótese com o problema da pesquisa: "a hipótese sempre será resposta para o seu problema. Isto quer dizer que o problema sempre virá antes
da hipótese" (MEZZAROBA; MONTEIRO, 2006, p. 152).

Marcadores: , ,

Epígrafe

07:51 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás; mas só pode ser vivida olhando-se para a frente"
Soren Kierkegaard

Marcadores: ,

Problema

07:43 / Postado por Mazahta / comentários (0)

O problema também é conhecido como "questão norteadora" ou "problema de pesquisa".

Normalmente, o problema é feito em forma de pergunta, a qual deve ser elaborada de tal forma que haja possibilidade de resposta por meio da pesquisa (VENTURA, 2002).
Um problema é de natureza científica quando envolve variáveis que podem ser tidas como testáveis, conforme Gil (2006, p. 24):

"Em que medida a escolaridade determina a preferência político-partidária?"

Para esse autor, é perfeitamente possível verificar a preferência político-partidária de determinado grupo, da mesma forma seu nível de escolaridade, para em seguida determinar em que medida essas variáveis estão relacionadas entre si.

O estudioso também fornece algumas sugestões para a elaboração de problemas científicos, além de ser formulado como pergunta, como o de ser claro e preciso, ser empírico, ser suscetível de solução e ser restrito a uma dimensão viável, delimitada.
Eventualmente, podem existir subproblemas ou problemas secundários.

Em geral, conforme Mezzaroba e Monteiro (2006), em qualquer pesquisa, o pesquisador se defronta com o estudo da(s) causa(s) e/ou do(s) efeito(s) do problema, e isso deve ficar claro: a pretensão é pesquisar causas ou efeitos, ou os dois?

Caso não tenha havido explanação alguma na introdução e o tema tenha sido escrito numa só frase breve, sem uma explicação que o situe melhor para a compreensão do leitor, sugere-se que na redação do problema apareçam algumas frases explicando, delimitando melhor o assunto, para então desembocar na pergunta do problema.

Marcadores: , ,

Epígrafe

07:37 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"É melhor tentar e falhar,
que preocupar-se e ver a vida passar;
é melhor tentar, ainda que em vão,
que sentar-se fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar,
que em dias tristes em casa me esconder.
Prefiro ser feliz, embora louco,
que em conformidade viver...
"
Martin Luther King

Marcadores: ,

Tema

23:49 / Postado por Mazahta / comentários (0)

O Tema é o objeto, o assunto, a área que se deseja investigar; ele torna preciso
e claro o assunto sobre o qual se deseja realizar a pesquisa. O tema pode ser redigido numa só frase ou em várias, não importando que seja longo ou técnico, mas interessa que ele seja coerente com o que será o título exposto na capa e folha de rosto.

Um trabalho acadêmico do tipo de uma monografia, por exemplo, tem forte chance de dar certo se o tema escolhido estiver de acordo com as características intelectuais do estudante, sua atração pelo assunto, o interesse despertado tendo em vista sua posição ideológica, sua atitude diante das circunstâncias que o assunto revela, dentre outros aspectos.

Conforme Nunes (2008, p. 16): “quanto mais ‘simpatia’ o tema despertar, quanto mais atração exercer, mais motivação você terá para desenvolver o trabalho”.

O mesmo autor destaca que todo trabalho monográfico, embora seja gratificante e uma experiência metodológica muito importante, é árduo, pois exige esforço e dedicação do estudante, que não deve confundi-lo com um simples trabalho regular de aula nem com uma produção de trabalho profi ssional utilizada em algumas áreas do mundo econômico.

A delimitação do tema é necessária quando o tema não for suficientemente claro, por exemplo, um que trate da ‘morte de jovens no trânsito’ é bastante vago e por isso precisa ser mais delimitado. Caso seja necessário restringir mais o tema, esta possibilidade consiste na formulação de uma ideia mais delimitada do tema escolhido pelo pesquisador, que vai restringir o campo de investigação sob um ponto de vista de espaço, tempo, modo ou outro aspecto relevante para o estudo.

Marcadores: , ,

Dica do dia: Google Acadêmico

14:55 / Postado por Mazahta / comentários (0)

O Google Acadêmico é uma ferramenta fundamental para quem está trabalhando em um TCC.

"Sobre os ombros de gigantes", o Google Acadêmico fornece muita informação importante, fugindo da inacreditável irrelevância do Google original (nunca utilizem wikipédia como referência em seu TCC, por favor).

Google Acadêmico
Nota: 9,0

Marcadores: ,

Epígrafe

23:40 / Postado por Mazahta / comentários (1)

"Há homens que lutam um dia e são bons.
Há outros que lutam um ano e são melhores.
Há os que lutam muitos anos e são muito bons.
Porém, há os que lutam toda a vida.
Esses são os imprescindíveis
"
Bertolt Brecht

Marcadores: ,

Introdução

23:34 / Postado por Mazahta / comentários (0)

A introdução contemplará o tema, que deve ser o mais delimitado possível, seguido de uma problematização e eventualmente de hipóteses, além de objetivos e justificativa. Sugere-se que o pesquisador escreva algumas frases explicando, situando, introduzindo o assunto, para que, depois, o tema e o problema sejam mais objetivos. Ou, se preferir, pode deixar essa explicação para a delimitação do tema em si.

A redação dos elementos componentes da introdução poderá ser em forma de itens, destacados e separados visualmente um do outro, ou em forma de redação mais corrida, sem títulos em cada item.

Marcadores: ,

Epígrafe

11:24 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A mágica presença das estrelas!
"
Mario Quintana

Marcadores: ,

Folha de aprovação

11:21 / Postado por Mazahta / comentários (0)

A Folha de aprovação é um elemento obrigatório, colocado logo após a folha de
rosto, nas versões definitivas de dissertações e teses, que contém nome do autor do
trabalho, título por extenso e subtítulo, natureza, objetivo do trabalho, nome da instituição a que foi submetido, área de concentração, nome, assinatura e instituição dos membros componentes da banca examinadora, local e data de aprovação.

A elaboração e disposição dos dados da folha de aprovação seguem as mesmas regras da folha de rosto, apenas acrescentando-se os nomes/Instituição de origem e assinaturas da banca de examinadores.

É preciso porém estar atento à exigências próprias para publicação em cada revista e em cada instituição de ensino.

Marcadores: ,

Epígrafe

12:17 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Precisamos dar um sentido humano às nossas construções. E, quando o amor ao dinheiro, ao sucesso nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os lírios do campo e as aves do céu"
Érico Veríssimo

Marcadores: ,

Agradecimentos

12:16 / Postado por Mazahta / comentários (0)

Os agradecimentos são um elemento opcional, dirigido a aqueles que contribuíram
de maneira relevante à elaboração do trabalho. Em geral, os agradecimentos são
dirigidos ao professor orientador, professores do curso, instituição de ensino, empresa ou entidade em que foi realizada pesquisa, aos familiares e outras pessoas que contribuíram para o trabalho.

Sua disposição pode ser a mesma de um texto normal, ou alinhada à direita e pela margem inferior da página quando o texto for curto.

Marcadores: ,

Epígrafe

13:11 / Postado por Mazahta / comentários (0)

"Não conheço nenhuma fórmula infalível para obter o sucesso, mas conheço uma forma infalível de fracassar: tentar agradar a todos"
John F. Kennedy

Marcadores: ,

Dedicatória

13:10 / Postado por Mazahta / comentários (0)

A dedicatória é um elemento opcional que destina-se a prestar homenagem ou dedicar o trabalho a alguém. Sua disposição pode ser a mesma de um texto normal, ou alinhada à direita e pela margem inferior da página quando o texto for curto.

Marcadores: ,